6 de janeiro de 2017

Ser pai é...


Essa semana li um texto que me deixou um tanto quanto pensativa. E em função disso resolvi escrever, acaba sendo um refúgio. Sempre encontro pessoas que pensam como eu, quando escrevo aqui.

Li em uma rede social um texto que dizia o seguinte: "Mãe é mãe, ser pai é um pouco mais fácil...". Talvez a realidade da autora fez com que ela acreditasse nisso.

Ser PAI não é um pouco mais fácil, ser o cara que fez o filho sim, ser o cara que não se importa com a criança que tem o sangue dele, pode até ser mais fácil... mas ser Pai não é mais fácil que ser mãe.


O pai (meu marido) do Levi quando descobriu que eu estava grávida ficou mais emocionado que eu, gravei a reação dele (vídeo), ele esperava por esse momento tanto quanto eu, estava tão ansioso quanto eu. Durante os primeiros meses ele aguentou o meu enjoo, o fato de irmos em restaurantes e eu não querer comer, aguentou minha sensibilidade (chorava por qualquer coisa), ficava toda hora dizendo: "tu precisa te cuidar, não carrega isso... dá pra mim!".
Agora que começou os desejos, se eu disser pra ele que quero as estrelas do céu pra comer, é capaz de ele dar um jeito de conseguir.

Sim é verdade, ele não está carregando o Levi na barriga dele, e não sente na pele as dificuldades que eu sinto, mas no fim o que é mais fácil? Carregar o bebê, ou carregar a mãe e o bebê? 
Percebo o quanto é difícil pro pai do meu filho quando passo mal, cai a minha pressão, e ele fica desnorteado, se ele pudesse pegar esse mal estar pra ele, não tenho dúvidas que ele pegaria. Quando Levi mexe na minha barriga ele fica todo bobo querendo sentir, e como agora é o inicio nem sempre ele consegue, então, eu consigo sentir sempre, deve ser difícil sentir o bebê só quando "dá sorte", ainda bem que eu consigo sentir sempre, fico triste por ele.

Mãe é mãe e ser pai (pai de verdade) não é um pouco mais fácil!

Ser pai é se colocar em terceiro lugar, é aguentar a mulher surtada com os hormônios da gravidez, ser pai é abrir mão da comida que a mãe não pode comer, é viver uma gestação sem realmente estar gestante, é correr atrás do melhor para o filho, se preocupar com o futuro mesmo com o bebê estando na barriga da mãe, ser pai é ser autoridade, tanto quanto a mãe, e fazer a parte ruim do castigo junto com a mãe. 

Um pai não engravida, não sente na pele as dores do parto, não fica com uma cicatriz, não pode amamentar. Mas um pai vive na pele tudo isso, quando é pai de verdade, participa de tudo isso como se fosse com ele. Um pai de verdade sabe do cansaço de uma noite mal dormida, da agonia de ver o filho chorando e tentar descobrir o por quê. Do desespero de ter que ir correndo pro hospital, da alegria da vitória e da tristeza da derrota de um filho.

Um pai de verdade não ajuda a mãe, mas divide os deveres da educação e criação do filho. 

Ter um filho, qualquer homem pode ter... ser Pai é outra coisa, e não é mais fácil que ser mãe.




2 comentários: